segunda-feira, 20 de Abril de 2009

Vida e Obra de Honório Pereira Barreto




Honório Pereira Barreto
filho de mãe guineense e pai Cabo-verdiano, nascido em Cacheu, no dia 24/4/1813 e falecido em Bissau em 26/4/1859)
Honório Pereira Barreto, foi três vezes administrador
em três épocas diferentes ( título de maior autoridade da então colónia ) da Província da Guiné.

O posto de governador foi criado bem depois de sua morte; Convém salientar e admirar a conquista deste guineense, o facto de que nem antes nem depois dele, outro nativo em todo Império português conseguiria igualar o seu feito, glorificado pela Administração portuguesa e um modelo perfeito de assimilado, apesar de tudo …. Simplesmente um grande Estadista.

Do ponto de vista da época em que vivemos, Honório Barreto, tendo em consideração o seu passado histórico pode ser definido como simplesmente “de vilão e controverso”. Foi caracterizado e cognominado pelos colonizadores de herói e um exemplo ímpar a todo guineense, o apreço das autoridades portuguesas para com Barreto teve reciprocidade, pois ele considerava-se um verdadeiro português, um “português da Guiné”.

Apesar de tantas crueldades e das atrocidades cometidas contra o seu povo sobretudo no comércio lucrativo de escravos, os guineenses devem as suas fronteiras à este filho de Cacheu pois era bem provável e subjacente que, se não fosse a sua capacidade de liderança, perspicácia e visão Estadista, a Guiné-Bissau, que hoje é um país pequeno de 36.125 km2, seria menor ainda.
Em seu tempo, a região de Casamança (ou Casamance), que hoje pertence ao Senegal, era guineense, e Honório fez de tudo para que assim permanecesse. Infelizmente, o sistema ao qual ele estava inserido era de uma inércia e espírito exploratório insuportável, seus alertas constantes, jamais encontraram ecos ou tiveram influências perante as autoridades portuguesas, que anos depois de sua morte, em 1888, entregariam à França sem consternação, de uma forma vassala e feudatária, hoje a região mais rica do Senegal.

O lado obscuro de sua biografia é que, numa época em que o comércio de escravos estava entrando em extinção (Portugal havia há muito abolido o tráfico, mas focos continuavam em seus domínios), Barreto consolidava na região de Cacheu um lucrativo comércio de variados produtos, e em especial, o de escravos.
De facto, os europeus não conseguiriam traficar a enorme quantidade de gente que traficaram durante quase 500 anos, se não tivessem sido auxiliados por homens como o ilustríssimo governador da Guiné, Honório Barreto, africano, negro, que fazia a conexão entre o coração da África e os navios negreiros, enchendo os porões desses mesmos, de gentes que tinham origens, cultura e vivência similares às dele.
O seu e o meu país, um século e meio depois, elegeu como seu herói e mártir um outro guineense com raízes em Cabo Verde, mas que lutou para a Guiné ser uma nação.
Este homem foi Amílcar Cabral, lenda no panteão de líderes da libertação do continente.

3 comentários:

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  2. Antes de mais, gostariamos de felicitar esta iniciativa de divulgar importantes personalidades africanas. Parabéns pelo blogue do Liceu Nacional.
    Relativamente a este texto gostariamos de referir o seguinte endereço electrónico: http://img15.imageshack.us/my.php?image=gui0620a.jpg
    Neste endereço podemos ver e fotografia e ler o que está escrito na lápide de Honório Pereira Barreto, onde esta personalidade é referida como "governador", em vez de "administrador". Talvez esta lápide esta na origem da confusão entre as duas denominações referidas.
    Continuação de um bom trabalho.

    ResponderEliminar
  3. muito obrigada pela forma como descreve honorio barreto e gostei de o ler por mutivos pessoais uma vez sendo ele meu tetra-avô , não sabia a historia toda e tambem não conheço a minha terra mas que um dia gostaria de a vir conheçer ...parabens e um bom trabalho

    ResponderEliminar